Título do Grêmio foi a última grande alegria de motociclista que morreu na RS 122

72
0
Compartilhar:

Em questão de 12 horas, no mesmo sábado, 2 de dezembro, num trecho de 3 quilômetros da mesma rodovia RS 122, em Bom Princípio, ocorreram dois acidentes que resultaram em mortes de motociclistas.

O primeiro foi por volta de 3h da madrugada, na altura do quilômetro 27, próximo da entrada de Santa Teresinha, resultando na morte de Eusédio Chassot, 35 anos, morador do Morro Tico-Tico, que teve a sua moto atingida por um automóvel Gol. E o segundo acidente, também com colisão entre carro e moto, ocorreu no meio da tarde, em torno de 15h50min, na altura do quilômetro 23, junto ao trevo dos letreiros, na entrada principal de Bom Princípio e em frente ao acesso para o Balneário. A vítima foi Volmir Diniz da Costa, de 50 anos, que também morava em Bom Princípio.

Conforme a Polícia Rodoviária Estadual, Volmir dirigia uma moto Honda CG no sentido São Sebastião do Caí/Bom Princípio e ao atravessar para pegar o acesso para a cidade,  acabou sendo atingido por um automóvel Renault Megane. O motociclista ainda foi levado pelos Bombeiros Voluntários de Bom Princípio para a UPA, mas não resistiu e veio a falecer.
A moto tem placas de Vale Real. Já no Megane, com placas de Caxias do Sul, que também ficou bastante danificado, o motorista não se feriu. O motorista do carro contou ao delegado Marcos Eduardo Pepe que não foi possível evitar o choque porque tinha um carro parado, aguardando a travessia, quando surgiu a moto por detrás, não sendo possível frear a tempo.

Conforme a filha, a professora Yasmin da Costa, 21 anos, o Volmir era muito querido e sempre alegre. Ele trabalhava na Sinoscar, em Montenegro. Era natural de Novo Hamburgo, onde foi sepultado na segunda-feira, mas morava em Bom Princípio há quatro anos. Antes também morou no Vale Real por 12 anos. Além de Yasmin, deixa também outro filho, Djonatan Diniz da Costa, 23 anos, além da esposa Maria Diniz da Costa, irmãos e irmãs, e demais familiares e amigos.

“Nosso pai era um homem novo, que sempre pensava em ajudar a todos em sua volta. Fazia de tudo pelos filhos e a esposa. Temos o maior orgulho dele e sabemos o quanto se orgulhava de sua família. Estava sempre de bom humor, rindo, alegre e contagiando a todos em sua volta”, escreveu Yasmin em homenagem ao pai. “Era um apaixonado pelo Grêmio. Estava muito feliz e orgulhoso pelo título do tricampeonato da Libertadores. Foi o jogo mais importante que já vi na minha vida e o último que vi com meu pai, que estava muito emocionado”, concluiu.

Guilherme Baptista

Foto fornecida por Yasmin da Costa

Compartilhar: