Decretada a prisão do homem que manteve a esposa de refém com faca no pescoço

3
0
Compartilhar:

Foram mais de 3 horas de muita tensão na tarde do último sábado, dia 7. Bastante alterado, um rapaz de 23 anos manteve a companheira como refém na frente da casa do casal, situada na Rua Carlos Lorival Lampert, próximo ao Sesi, no bairro São Paulo, em Montenegro. Após um desentendimento, Lucas Fuller Corona calçou a esposa, de 35 anos, com uma faca no pescoço, imobilizando-a com uma gravata. Aos gritos, ameaçava matar a mulher e pedia que todos se afastassem.

A Brigada Militar e a Polícia Civil isolaram o local, fechando a rua. Logo uma pequena multidão de moradores e curiosos se concentraram nas proximidades, o que deixou Lucas ainda mais nervoso. A preocupação foi ainda maior porque a mulher está grávida de 8 meses e temia pela saúde de seu bebê. “Era uma ocorrência de alto risco. Ele estava muito próximo. Foi arriscado”, conta o capitão Jederson Dill, comandante da 1ª Companhia de Policiamento, que fez a negociação para que Lucas soltasse a companheira e se entregasse. Ele teve o importante apoio de um irmão de Lucas, e da mãe dele.

A ocorrência iniciou por volta de 15h e o desfecho só ocorreu no final da tarde, em torno de 18h, quando o irmão pulou a cerca e pegou a faca que Lucas entregou. Em seguida Lucas foi rendido pela Brigada e levado para a Delegacia, enquanto a gestante recebeu o atendimento de equipes do Samu e SOS Unimed que estavam no local.

Conforme familiares, Lucas estava sob efeito de drogas, tendo consumido cocaína. Eles disseram que já tinham pedido a sua internação. Conforme um dos enteados de Lucas, a mãe tem outros oito filhos, sendo o menor de 6 anos e o mais velho, de 20, está preso. Agora está esperando mais uma menina. Ela e o bebê passam bem. Já Lucas teve a prisão preventiva decretada, sob a acusação de cárcere privado, com pena que varia entre 2 e 8 anos de prisão. Ele ainda deve prestar depoimento, assim como a mulher, pois no dia do fato ambos não tinham condições de prestar declarações na Delegacia.

Guilherme Baptista

Compartilhar: